VISITANTES ONLINE

domingo, 22 de março de 2015

Sociedade e Cultura - Aula 03 - Portfólio semana 3

A tradição e a cultura popular e de eliteO Brasil tem um número diversificado de tradições culturais. As festas populares, a culinária, o artesanato, o folclore, a música e a oralidade criativa ajudaram a imprimir uma identidade multicultural no país. A aula trata a ideia de que, ao falar de tradições culturais, estamos na verdade falando dos limites entre o sujeito e o legado que ele recebe. E isso pode ter mais consequências na vida atual do que se imagina.


A aula começa nos mostrando o legado cultural que o sujeito recebe para formar a si mesmo. Citando Paulinho da Viola e sua perspectiva do que somos do hoje, que não devemos nos ater a "manias" ou perseguições do passado, pois "voltar é quase sempre partir para outro lugar" e não adianta voltar ao que foi, pois no momento somos produto de tudo que já passou", Pois somos incapazes de esquecer totalmente o passado ou mesmo reproduzir fielmente.
Ao falar do folclore o professor o descreve como uma sabedoria remanescente e precisa de um resgate por causa dessa característica, quase que contrariando a cultura popular que é bastante dinâmica, simbólica e mesmo que seja reinterpretada a cultura tem e nos remete a algo anterior a nós.
As divisões e mesmo subdivisões da cultura tem uma linha cada vez mais tênue, pois "se misturam o macro e o micro e tos veem novelas", mesmo que as visões sejam deturpadas.
Ao descrever os gostos culturais ele afirma que muitas vezes o que é de elite e o popular são os mesmos, não sou totalmente contra essa afirmação porém os índices devem e são mínimos,porém concordo plenamente quando relata a importância da cultura, mesmo ela sendo letrada, popular, regional, ou de elite. Todas as manifestações culturais são extremamente válidas e tem seu pé de importância para a região onde ela surgiu.
Pensar a tradição na cultura vai além de repetir atos, eventos, datas e festas e testar, reinventar, refletir sobre atos é além da memória e da obra cultural, é lutar ou pelo menos ter consciência que a cultura massificada tem o seu valor e o seu mérito porém nossa reflexão tem que ir além de simples eventos, temos que estar atento que em um pais multiculturalista como o Brasil é impossível nivelar culturalmente o povo, a industria da teve tenta de todo modo vender o estilo de vida do sudeste ao restante do país, porém heroicamente recentemente as regiões vem produzindo sua e "enfiando goela abaixo" massivamente no sudeste. O que antes se produzia ou se falava ou mesmo muita vezes pensava era renegado por não estar na região sudeste, hoje todos podem ter acessos a todas as regiões do pois "menos a Luíza que ta no Canadá".
"Somos desafiados a entender o lugar da tradição cultural na vida urbana de hoje" para podermos de forma diferenciada ir de encontro com a experiencia cultural, seja ela de massa, popular ou mesmo de elite. Quando acontece o encontro ou mesmo o acesso a cultura, temos em mãos um maior número de cartas para no jogo da vida ter mais liberdade de escolha e conhecimento do por quê as escolhemos.  Contribuindo com tal afirmação Marcos Silva no seu artigo "Cadência, decadência, Recadência:O Tropicalismo e o samba-fênix"  faz uma excelente crítica ao livro de Pedro Alexandre Sanches "Tropicalismo  - Decadência bonita do samba" onde demostra de forma erudita e por que não científica algo tão comum aos brasileiros como o samba e tropicalismo e artistas tão populares como Caetano Veloso, Rita Lee e vários outros.
No material anexo nos manda um excelente link com uma brilhante reflexão de Mario de Andrade sobre a Elegia de Abril, onde  cita inumeras fontes ou referencias de cultura.







PARA APROFUNDAR O TEMA:

Portfólio semana 02

Portfólio semana 01

CARLOS GUILHERME MOTA: No program Roda Vida

Vídeo de apoio 3 - Antônio Candido: Um homem, duas cidades



























Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...